<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d6432744\x26blogName\x3dANTES+DE+TEMPO\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dSILVER\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://antesdetempo.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://antesdetempo.blogspot.com/\x26vt\x3d685797521404101269', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

quarta-feira, 24 de outubro de 2007

 
Paris Photo 2007



De 14 a 18 de Novembro decorre no Carrousel du Louvre mais uma edição da Paris Photo. Com a participação de 83 galerias e 22 editores que mostram o trabalho de mais de 500 fotógrafos de todo o mundo, esta 11ª edição da Paris Photo tem como país convidado a Itália. Ler mais aqui.

 
A ler

Hoje no DN: Baptista-Bastos escreve A crise da esquerda (embora não possa estar mais em desacordo com a última frase do primeiro parágrafo).

quarta-feira, 17 de outubro de 2007

 
A ler

Hoje no DN, Vasco Graça Moura: Um amor feliz.

terça-feira, 16 de outubro de 2007

 
Les limites du malheur


Foto de Lilya Corneli


Mes yeux soudain horriblement
Ne voient pas plus loin que moi
Je fais des gestes dans le vide
Je suis comme un aveugle-né
De son unique nuit témoin

La vie soudain horriblement
N'est plus à la mesure du temps
Mon désert contredit l'espace
Désert pourri désert livide
De ma morte que j'envie

J'ai dans mon corps vivant les ruines de l'amour
Ma morte dans sa robe au col taché de sang.


Paul Éluard in Le temps déborde, 1947.

 
Alberto Giacometti



Inaugura amanhã no Centro Pompidou L'atelier d'Alberto Giacometti, a grande exposição realizada em colaboração com a Fondation Alberto et Annette Giacometti. A exposição que pode ser vista até 11 de Fevereiro do próximo ano, compreende mais de 600 obras, entre escultura, pintura, desenho, gravura e documentos vários que tentam, por um lado re-construír o atelier de Giacometti, o atelier que foi sempre indissociável do artista, na sua dimensão de laboratório, de lugar ritual, de espaço determinante para a elaboração da sua obra e, por outro traçam o percurso cronológico da sua vida (1901-1966) desde os tempos de juventude no atelier de seu pai, ao jovem estudante e à sua posterior procura temática e formal. A não perder em Paris.

sábado, 13 de outubro de 2007

 
Das traições


Foto de Lilya Corneli



É do fundo do abismo que falo
E vejo o fundo do abismo
O homem rasgado como uma mina
Como um porto sem navios
Como uma lareira sem lume
Pobre rosto sacrificado
Pobre rosto sem limites
Composto por todos os rostos saqueados
Sonhavas com varandas velas e viagens
Sonhavas com primaveras beijos bondade
Tu sabias bem quais são os direitos e deveres
Da beleza meu belo rosto dispersado

Seria preciso para esconder o seu horror e a vergonha que sentes
Mãos novas mãos íntegras na sua tarefa
Mãos obreiras do presente
E mesmo em sonhos corajosas.


Paul Éluard in O Duro Desejo de Durar, 1946.

quinta-feira, 11 de outubro de 2007

 
Correio da Cassini



Tethys passeia-se sob a linha dos anéis. Em Saturno, as tempestades formam-se.

 
Doris Lessing

All this time Jessie was standing-at-ease on the carpet. He handed her a cup of tea. She nodded towards me saying: "Give it to her," He took it back and gave it Ho me. "What's the matter dear?" he asked. "Aren't you feeling well?"
"I am perfectly well," I said, reading the newspaper.
"Stalin is dying," said Aunt Emma. "Or so they would have us believe."
"Stalin?" said our host.
"That man in Russia," said Aunt Emma.
"Oh you mean old uncle Joe. Bless him."
Aunt Emma started. Jessie looked gruffly incredulous. Jackie Smith came and sat down beside me, and read the news-paper over my shoulder. "Well, well," he said. "Well, well, well, well." Then, he giggled and said: "Nine doctors. If there were fifty doctors I still wouldn't feel very safe, would you?"
"No, not really," I said.
"Silly old nuisance," said Jackie Smith. "Should have bumped him off years ago. Obviously outlived his usefulness at who isn't relaxed." the end of the war, wouldn't you think?"
"It seems rather hard to say," I said.
Our host, a teacup in one hand, raised the other in a peremptory gesture. "I don't like to hear that kind of thing," he said. "I really don't. God knows, if there's one thing I make a point of never knowing a thing about it's politics, but during the war Uncle Joe and Roosevelt were absolutely my pin-up boys. But absolutely."
Here cousin Jessie, who had neither sat down, nor taken a cup of tea, took a stride forward and said angrily: "Look, do you think we could get this damned business over with?" Her virginal pink cheeks shone with emotion, and her eyes were brightly unhappy.
"But my dear," said our host, putting down his cup. "But of course. If you feel like that, of course."
He looked at his assistant Jackie, who reluctantly laid down the newspaper, and pulled the cords of a curtain, revealing an alcove full of cameras and equipment. Then they both thoughtfully examined Jessie. "Perhaps it would help," said our host, "if you could give me an idea what you want it for? Publicity? Dust-jackets? or just your lucky friends?"
"I don't know and I don't care," said cousin Jessie.
Aunt Emma stood up and said: "I would like to catch her expression. It's just a little look of hers ..."
Jessie clenched her fists at her.
"Aunt Emma," I said, "Don't you think it would be a good idea if you and I went out for a little?"
"But my dear ..."
But our host had put his arm around her, and was easing her to the door. "There's a duck," he was saying. "You do want me to make a good job of it, don't you? And I never could really do my best, even with the most sympathetic lookers-on.'
Again Aunt Emma went limp, blushing. I took his place at her side, and took her to the door. As we shut it, I heard Jackie Smith saying: "Music, do you think?" And Jessie: "I loathe music." And Jackie again: "We do rather find music helps, you know ..."
The door shut and Aunt Emma and I' stood at the landing window, looking down into the street.
"Has that young man done you?" she asked.
"He was recommended to me," I said.
Music started up from the room behind us. Aunt Emma's foot tapped on the floor. "Gilbert-and-Sullivan," she said. "Well, she can't say she loathes that. But I suppose she would just to be difficult."
I lit a cigarette. 'The Pirates of Penzance' abruptly stopped. "Tell me, dear," said Aunt, suddenly roguish, "about all the exciting things you are doing?'
Aunt Emma always says this; and always I try hard to think of portions of my life suitable for presentation to Aunt Emma. "What have you been doing today, for instance?" I considered Bill; I considered Beatrice; I considered comrade Jean.
"I had lunch," I said, "with the daughter of a Bishop."
"Did you dear?" she said doubtfully.
Music again: Cole Porter. "That doesn't sound right to me," said Aunt Emma. "It's modern, isn't it?" The music stopped. The door opened. Cousin Jessie stood there shining with determination. "It's no good," she said. "I'm sorry, Mummy, but I'm not in the mood."
"But we won't be coming to London again for another four months.''
Our host and his assistant appeared behind cousin Jessie. Both were smiling rather bravely. "Perhaps we had better forget about it," said Jackie.
Our host said: "Yes, we'll try again later, when everyone is really themselves."
Jessie turned to the two young men and thrust out her hand at them. "I'm very sorry," she said, with )her fierce virgin sincerity. "I am really terribly sorry."
Aunt Emma went forward, pushed aside Jessie, and shook their hands. "I must thank you both," she said, "for the tea." Jackie Smith waved my newspaper over the three heads. "You've forgotten this," he said.
"Never mind, you can keep it," I said.
"Oh bless you, now I can read all the gory details."
The door shut on their friendly smiles.
"Well," said Aunt Emma, "I've never been so ashamed.'
"I don't care," said Jessie fiercely. "I really couldn't care less."
We descended into the street. We shook each other's hands. We kissed each other's cheeks. We thanked each other. Aunt Emma and cousin Jessie waved at a taxi. I got on to a bus.
When I got home, the telephone was ringing. It was Beatrice. She said she had got my telegram, but she wanted to see met in any case. "Did you know Stalin was dying?" I said.


Doris Lessing in The day that Stalin died, 1957.

 
Doris Lessing



A escritora inglesa Doris Lessing ganhou hoje o prémio Nobel da Literatura 2007. Ler mais aqui.

quarta-feira, 10 de outubro de 2007

 
Eu fio invisível


Foto de Lilya Corneli


Eu fio invisível no espaço de todo o adeus
Eu, o sem Deus!
Tenho-te no entanto em mim como um gemido
De flor; tenho-te como um amor morrido
A quem se jurou; tenho-te como uma fé
Sem dogma; tenho-te em tudo em que não me sinto a jeito
Nesta sala estrangeira com lareira
E sem pé-direito.


Vinicius de Morais in Pátria minha, Antologia Poética, 1954.

 
A ler

A ler — hoje —, a ver — amanhã — quem será o prémio Nobel da Literatura deste ano: Pierre Assouline escreve, no La république des livres, Demain c’est Nobel !

terça-feira, 9 de outubro de 2007

 
Canto triste


Foto de Lilya Corneli



Porque sempre foste
A primavera em minha vida
Volta pra mim
Desponta novamente no meu canto
Eu te amo tanto mais
Te quero tanto mais

Ah, quanto tempo faz
Partiste como a primavera
Que também te viu partir
Sem um adeus sequer
E nada existe mais em minha vida
Como um carinho teu
Como um silêncio teu
Lembro um sorriso teu
Tão triste

Ah, luar sem compaixão
Sempre a vagar no céu
Onde se esconde a minha bem-amada
Onde a minha namorada
Vai, diz a ela minhas penas
E que eu peço, peço apenas
Que ela lembre as nossas horas de poesia
As noites de paixão
E diz-lhe da saudade em que me viste
Que estou sozinho
Que só existe meu canto triste
Na solidão


Vinicius de Moraes in Cancioneiro, 1968.

segunda-feira, 8 de outubro de 2007

 
Soneto simples


Foto de Lilya Corneli


Chegara enfim o mesmo que partira: a porta aberta e o coração voando ao encontro dos olhos e das mãos. Velhos pássaros, velhas criaturas, algumas cinzas plácidas passando – somente a amiga é como o melro branco!

E enfim partira o mesmo que chegara; o horizonte transpondo o pensamento e nas auroras plácidas passando o doce perfil da amiga adormecida. Desejo de morrer de nostalgia da noite dos vales tristes e perdidos… (foi quando desceu do céu a poesia como um grito de luz nos meus ouvidos…)


Rio de Janeiro, 1938

Vinicius de Moraes in Novos Poemas, 1938.

quinta-feira, 4 de outubro de 2007

 
Correio da... Opportunity



A cratera Victoria fotografada pela Opportunity. Velha terra nova. Tudo tão familiar...
Vale a pena ver com atenção aqui.

 
Marc Quinn


Marc Quinn - Angel

Inaugura amanhã na DHC/ART Foundation for Contemporary Art, em Montreal, a primeira exposição a solo de Marc Quinn no Canadá. Quinn, nascido em 1964, é um dos mais controversos artistas ingleses contemporâneos. Com uma obra que se expressa no âmbito da escultura, pintura, desenho e fotografia digitalmente manipulada, Marc Quinn situa-se numa corrente coerente com a história do conceptualismo britânico de carácter essencialmente escatológico. As suas temáticas de referência prendem-se com a mortalidade, o belo e as relações entre arte e ciência. Ler mais aqui.

terça-feira, 2 de outubro de 2007

 
Separação


Foto de Henri Zerdoun


Voltou-se e mirou-a como se fosse pela última vez, como quem repete um gesto imemorialmente irremediável. No íntimo, preferia não tê-lo feito; mas ao chegar à porta sentiu que nada poderia evitar a reincidência daquela cena tantas vezes contada na história do amor, que é história do mundo. Ela o olhava com um olhar intenso, onde existia uma incompreensão e um anelo, como a pedir-lhe, ao mesmo tempo, que não fosse e que não deixasse de ir, por isso que era tudo impossível entre eles.
Viu-a assim por um lapso, em sua beleza morena, real mas já se distanciando na penumbra ambiente que era para ele como a luz da memória. Quis emprestar tom natural ao olhar que lhe dava, mas em vão, pois sentia todo o seu ser evaporar-se em direção a ela. Mais tarde lembrar-se-ia não recordar nenhuma cor naquele instante de separação, apesar da lâmpada rosa que sabia estar acesa. Lembrar-se-ia haver-se dito que a ausência de cores é completa em todos os instantes de separação.
Seus olhares fulguraram por um instante um contra o outro, depois se acariciaram ternamente e, finalmente, se disseram que não havia nada a fazer. Disse-lhe adeus com doçura, virou-se e cerrou, de golpe, a porta sobre si mesmo numa tentativa de seccionar aqueles dois mundos que eram ele e ela. Mas o brusco movimento de fechar prendera-lhe entre as folhas de madeira o espesso tecido da vida, e ele ficou retido, sem se poder mover do lugar, sentindo o pranto formar-se muito longe em seu íntimo e subir em busca de espaço, como um rio que nasce.
Fechou os olhos, tentando adiantar-se à agonia do momento, mas o fato de sabê-la ali ao lado, e dele separada por imperativos categóricos de suas vidas, não lhe dava forças para desprender-se dela. Sabia que era aquela a sua amada, por quem esperara desde sempre e que por muitos anos buscara em cada mulher, na mais terrível e dolorosa busca. Sabia, também, que o primeiro passo que desse colocaria em movimento sua máquina de viver e ele teria, mesmo como um autômato, de sair, andar, fazer coisas, distanciar-se dela cada vez mais, cada vez mais. E no entanto ali estava, a poucos passos, sua forma feminina que não era nenhuma outra forma feminina, mas a dela, a mulher amada, aquela que ele abençoara com os seus beijos e agasalhara nos instantes do amor de seus corpos. Tentou imaginá-la em sua dolorosa mudez, já envolta em seu espaço próprio, perdida em suas cogitações próprias - um ser desligado dele pelo limite existente entre todas as coisas criadas.
De súbito, sentindo que ia explodir em lágrimas, correu para a rua e pôs-se a andar sem saber para onde...


Vinicius de Moraes in Para viver um grande amor (crônicas e poemas), 1962.

This page is powered by Blogger. Isn't yours?