<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d6432744\x26blogName\x3dANTES+DE+TEMPO\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dSILVER\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://antesdetempo.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://antesdetempo.blogspot.com/\x26vt\x3d685797521404101269', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

quinta-feira, 30 de novembro de 2006

 
Hipocrisias

Todos os Homens honestos mataram César. A alguns faltou arte, a outros coragem e a outros oportunidade mas a nenhum faltou a vontade.

Marcus Tullius Cicero

O Conselho Deontológico do Sindicato dos Jornalistas critica a posição da Renascença, ao fim de 6 horas de reunião. Como muito bem observa o Blasfémias quantas horas demoraria o sindicato a reagir se uma qualquer emissora não católica anunciasse o seu apoio ao "sim"?

 
Orvalho


Foto de Katarzina Widmanska



E eu deitado contigo, tu, no lixo,
uma lua lamacenta
atirou-nos com a resposta,

nós separámo-nos aos bocados
e voltámos a esmigalhar-nos juntos:

O Senhor partiu o pão,
o pão partiu o Senhor.


Paul Celan

 
Diário da guerra

Robert Redeker, o professor de filosofia que, desde Setembro, se encontra escondido protegido pela polícia e impedido de leccionar por ameaças de morte que lhe foram dirigidas pela comunidade islâmica, na sequência de um texto publicado no Le Figaro (e transcrito neste blog), anuncia para breve a publicação de um livro. Pierre Assouline, em La république des livres, relata mais detalhadamente. Mais um pequeno passo contra a opressão e a proibição do exercício da liberdade de expressão que o mundo islâmico quer impôr ao ocidente.

quarta-feira, 29 de novembro de 2006

 
Distâncias


Foto de Katarzina Widmanska


Olho no olho, no frio,
deixa-nos também começar assim:
juntos
deixa-nos respirar o véu
que nos esconde um do outro,
quando a noite se dispõe a medir
o que ainda falta chegar
de cada forma que ela toma
para cada forma
que ela a nós dois emprestou.


Paul Celan

 
Primera generación. Arte e imagen en movimiento, 1963-1986



Até 2 de Abril de 2007 o Centro de Arte Reina Sofia, em Madrid, apresenta a exposição Primera generación. Arte e imagen en movimiento, 1963-1986 com 32 vídeos de Eugènia Balcells, Dara Birnbaum, Jaime Davidovich, Juan Downey, VALIE EXPORT, Rafael França, David Hall, Gary Hill, Takahiko iimura, Joan Jonas, Shigeko Kubota, Thierry Kuntzel, David Lamelas, Mary Lucier, Antoni Muntadas, Nam June Paik, Ulrike Rosenbach, Carolee Schneemann, Ira Schneider, Bill Viola, Wolf Vostell, Roger Welch, Robert Whitman e Hannah Wilke bem como 14 projecções de Marina Abramovic, Vito Acconci, Joseph Beuys, Peter Campus, Douglas Davis, Anna Bella Geiger, Joan Logue, Ana Mendieta, Marta Minujín, Bruce Nauman, Otto Piene e Joan Rabascall/Benet Rossell. A exposição pretende uma amostragem de referência dos primeiros 25 anos de produção neste meio. Para ver e ler mais, aqui.

domingo, 26 de novembro de 2006

 
Um homem e uma mulher absolutamente brancos


Foto de Lilya Corneli



Lá no fundo do guarda-sol vejo as prostitutas maravilhosas
Com trajes um pouco antiquados do lado da lanterna cor dos bosques
Levam a passear consigo um grande pedaço de papel estampado
Esse papel que não se pode ver sem que o coração se nos aperte nos andares altos de uma casa em demolição
Ou uma concha de mármore branco caída no caminho
Ou um colar dessas argolas que se confundem atrás delas nos espelhos
O grande instinto da combustão conquista as ruas onde elas caminham
Direitas como flores queimadas
Com os olhos na distância levantando um vento de pedra
Enquanto imóveis se abismam no centro da voragem
Nada se iguala para mim ao sentido do seu pensamento desligado
A frescura do regato onde os sapatinhos delas banham a sombra dos seus bicos

A realidade daqueles molhos de feno cortado onde desaparecem
Vejo os seus seios que abrem uma nesga de sol na noite profunda
E que se abaixam e se elevam a um ritmo que é a única exacta medida da vida

Vejo os seus seios que são estrelas sobre as ondas
Seios onde chove para sempre o invisível leite azul


André Breton


À memória de Mário Cesariny.

 
Into Me / Out of Me



Inaugura hoje, no KW Institute for Contemporary Art, em Berlim, a exposição Into Me / Out of Me. A fisicalidade, a permeabilidade e a fragilidade do corpo são exploradas no sentido da representação da condição humana, nomeadamente em três das suas interacções internas e externas: metabolismo, reprodução e violência. A exposição que conta, entre outros, com Marina Abramovic, Vito Acconci, Matthew Barney, Patty Chang, Felix Gonzalez-Torres, Douglas Gordon, Mona Hatoum, Robert Mapplethorpe, Ana Mendieta, Paul McCarthy, John Miller, Frank Moore, Pipilotti Rist, Rirkrit Tiravanija, Andy Warhol e Lawrence Weiner poderá ser vista até Fevereiro de 2007. Mais, aqui.

sábado, 25 de novembro de 2006

 
A brusca poesia da mulher amada


Foto de Lilya Corneli



Longe dos pescadores os rios infindáveis vão morrendo de sede lentamente...
Eles foram vistos caminhando de noite para o amor – oh, a mulher amada é como a fonte!
A mulher amada é como o pensamento do filósofo sofrendo
A mulher amada é como o lago dormindo no cerro perdido
Mas quem é essa misteriosa que é como um círio crepitando no peito?
Essa que tem olhos, lábios e dedos dentro da forma inexistente?

Pelo trigo a nascer nas campinas de sol a terra amorosa elevou a face pálida dos lírios
E os lavradores foram se mudando em príncipes de mãos finas e rostos transfigurados...

Oh, a mulher amada é como a onda sozinha correndo distante das praias
Pousada no fundo estará a estrela, e mais além.



Rio de Janeiro, 1938

Vinicius de Moraes in Novos Poemas
in Antologia Poética
in Poesia completa e prosa: "A saudade do cotidiano"

sexta-feira, 24 de novembro de 2006

 
Hoje

Por de cima deste tempo bolorento e deprimente (principalmente para uma 6ª feira), neste Outono tardio (ou que já foi - o que se sabe nestes dias?), o sol, esta madrugada, era assim.


quinta-feira, 23 de novembro de 2006

 
Correio da Cassini



Fantasmas habitam os anéis de Saturno.

 
A ausente


Foto de Lilya Corneli


Amiga, infinitamente amiga
Em algum lugar teu coração bate por mim
Em algum lugar teus olhos se fecham à idéia dos meus.
Em algum lugar tuas mãos se crispam, teus seios
Se enchem de leite, tu desfaleces e caminhas
Como que cega ao meu encontro...
Amiga, última doçura
A tranqüilidade suavizou a minha pele
E os meus cabelos. Só meu ventre
Te espera, cheio de raízes e de sombras.
Vem, amiga
Minha nudez é absoluta
Meus olhos são espelhos para o teu desejo
E meu peito é tábua de suplícios
Vem. Meus músculos estão doces para os teus dentes
E áspera é minha barba. Vem mergulhar em mim
Como no mar, vem nadar em mim como no mar
Vem te afogar em mim, amiga minha
Em mim como no mar...


Vinicius de Moraes in Antologia Poética
in Poesia completa e prosa: "Nossa Senhora de Los Angeles"

terça-feira, 21 de novembro de 2006

 
Vija Celmins



Vija Celmins nasceu em Riga, em 1938, e instala-se nos Estados Unidos em 1948, depois de uma breve passagem pela Alemanha, em 1944. Inicialmente influenciada pelo expressionismo abstracto norte-americano, Celmins opta por caminhos diversos no início dos anos sessenta, apropriando-se do objecto fotográfico como matriz de uma obra gráfica que se desenvolve até hoje e que faz de Vija Celmins um dos nomes de referência do desenho contemporâneo. Até 8 de Janeiro, pode-se ver no Centro Pompidou Vija Celmins - l'Oeuvre dessiné.

segunda-feira, 20 de novembro de 2006

 
A esfera de Pascal


Foto de Lilya Corneli


"Podemos afirmar com certeza que o universo é todo centro, ou que o centro do universo está em todas as partes e a circunferência em nenhuma" (De la causa, principio ed uno, V).


Isto foi escrito com exaltação, em 1584, ainda à luz da Renascença, mas setenta anos depois, não restava qualquer reflexo desse fervor e os homens sentiram-se perdidos no tempo e no espaço. No tempo, porque, se o futuro e o passado são infinitos, não haverá realmente um quando; no espaço, porque, se todo o ser é equidistante do infinito e do infinitesimal, tampouco haverá um onde. Ninguém está em nenhum dia, em nenhum lugar; ninguém sabe o tamanho do seu rosto.


Jorge Luis Borges
in Nova Antologia Pessoal, 1968.


domingo, 19 de novembro de 2006

 
René Magritte



Inaugura hoje no Los Angeles County Museum of Art (LACMA) a primeira grande exposição retrospectiva de Magritte no Estados Unidos. Com o título Magritte and Contemporary Art: The Treachery of Images, a exposição reúne um conjunto de 68 peças do pintor belga — nascido em 1898 e falecido em 1967 — e 68 peças de alguns artistas que, de uma forma ou outra, foram influenciados pela obra de Magritte: Richard Artschwager, John Baldessari, Vija Celmins, Robert Gober, Jasper Johns, Jeff Koons, Ed Ruscha e Andy Warhol. A obra de Magritte toca, assim, sensibilidades tão diferentes como a pop, a arte conceptual ou o pós-modernismo. Esta exposição foi desenhada por John Baldessari e poderá ser vista até 4 de Março de 2007. Outros textos e informações, aqui.


 
Mathieu Bernard-Reymond



Mathieu Bernard-Reymond foi o vencedor do prémio BMW-Paris Photo na edição da Paris Photo 2006 que encerra hoje no Carrousel du Louvre. Nascido em 1976, Mathieu Bernard-Reymond é um jovem fotógrafo que vive e trabalha em Lausanne e foi representado na Paris Photo pela galeria de Paris Baudoin Lebon.

sexta-feira, 17 de novembro de 2006

 
Johannes Kahrs



Inaugura amanhã na Parasol unit foundation for contemporary art, em Londres, a exposição de Johannes Kahrs Lonely long meaningless way home. Nesta sua primeira exposição individual em Inglaterra, Kahrs mostra pintura e desenho na sequência de outras obras já conhecidas, sempre com uma detalhada encenação do real elevado a um nível de espectacularidade. Pode-se ver e ler mais aqui.

 
A muralha e os livros


Foto de Katarzina Widmanska

Li há dias que o homem que ordenou a edificação da quase infinita muralha chinesa foi o Imperador Shih Huang Ti, que também ordenou que se queimassem todos os livros anteriores a ele. O facto de as duas vastas operações — as quinhentas ou seiscentas léguas de pedra opostas aos bárbaros e a rigorosa abolição da história, ou melhor, do passado — virem de uma pessoa e serem de algum modo seus atributos satisfez-me inexplicavelmente e, ao mesmo tempo, inquietou-me. (...)
Shih Huang Ti, segundo os historiadores, proibiu que se mencionasse a morte e procurou o elixir da imortalidade e enclausurou-se num palácio figurativo, que tinha tantos aposentos quantos dias há no ano. Estes dados sugerem que a muralha no espaço e o incêndio no tempo foram barreiras mágicas destinadas a deter a morte. Todas as coisas querem persistir no seu ser, escreveu Baruch Spinoza. Talvez o Imperador e os seus magos tenham acreditado que a imortalidade é intrínseca e que a corrupção não pode entrar num mundo fechado.

Jorge Luis Borges in Nova Antologia Pessoal, 1968.

quinta-feira, 16 de novembro de 2006

 
Correio da... Opportunity



A Opportunity fotografa as suas próprias pegadas. Marcas deixadas na pele do novo mundo ou apenas um processo de auto-reconhecimento. A imagem é fascinante aqui.

quarta-feira, 15 de novembro de 2006

 
Anselm Kiefer


Editado por Éditions du Regard, o novo livro de Anselm Kiefer sobre a poesia de Paul Celan com texto de Andrea Lauterwein, Prix Artcurial du livre d’art contemporain. A procurar nas livrarias ou aqui.

 
Paris Photo



Inaugura amanhã no Carrousel du Louvre mais uma edição do Paris Photo. Este ano estarão presentes 88 galerias e 18 editores que apresentam 106 artistas de todo o mundo. Nesta décima edição, a Paris Photo 2006 homenageia a Dinamarca, a Finlândia, a Islândia, a Suécia e a Noruega. Mais notícias e informações poderão ser lidas aqui.

domingo, 12 de novembro de 2006

 
Alex Katz


Alex Katz Paints Ada é uma exposição que pode ser vista no The Jewish Museum, em Nova York, até 18 de Março de 2007. Alex Katz conheceu Ada Del Moro em 1957 e este modelo acabou por se tornar a companheira do pintor ao longo dos últimos cinquenta anos. Alex Katz Paints Ada remete para esta relação e para os processos narrativos encontrados por Katz para a expressar. Uma visita virtual à exposição pode ser feita aqui.

quinta-feira, 9 de novembro de 2006

 
Zbigniew Rogalski



Na Sprüth Magers Projekte, galeria de Munique inaugura hoje Letter, exposição de Zbigniew Rogalski. Este jovem pintor polaco expõe pela primeira vez na Alemanha. Letter é o título desta exposição constituída por um conjunto de telas de grande formato em que Rogalski retoma uma figuração sintética e de grande eficácia.

 
Correio da Cassini



Golden Night on Saturn.

terça-feira, 7 de novembro de 2006

 
Tlon, Uqbar, Orbis Tertius

Foto de Lilya Corneli


Na terça-feira, X atravessa um caminho deserto e perde nove moedas de cobre. Na quinta-feira, Y encontra no caminho quatro moedas, algo enferrujadas pela chuva de quarta. Na sexta-feira, Z encontra duas moedas no caminho. Na sexta-feira de manhã, X encontra duas moedas no corredor de sua casa. O heresiarca queria deduzir dessa história a realidade — id est, a continuidade — das nove moedas recuperadas. É absurdo (afirmava) imaginar que quatro das moedas não tenham existido entre a terça e a quinta-feira, três entre a terça e a tarde de sexta-feira, duas entre a terça e a madrugada de sexta-feira. É lógico pensar que existiram — pelo menos de algum modo secreto, de compreensão vedada aos homens — em todos os momentos desses três prazos.


Jorge Luis Borges in Nova Antologia Pessoal, 1968.

segunda-feira, 6 de novembro de 2006

 
David Tremlett



Para quem, neste Outono chuvoso, puder passear uns dias pela Toscana, ali, a poucos quilómetros de Florença, no Prato, e até 7 de Janeiro, poderá ver uma das mais importantes exposições retrospectivas de David Tremlett alguma vez realizadas. A exposição antológica 1969-2006 é constituída por mais de cento e dez obras que refletem o percurso rigoroso e coerente deste pintor inglês nos últimos trinta anos. A exposição, no Centro per l’Arte Contemporanea Luigi Pecci, faz parte do projecto Territoria & Territori, cantiere per la cultura contemporanea, uma iniciativa da Província do Prato que organiza mais de trinta exposições este ano. Ali, a poucos quilómetros de Florença.

sexta-feira, 3 de novembro de 2006

 
Adam cast forth


Foto de Angelicatas


Houve um Jardim ou tal Jardim foi sonho?

Na vaga luz me tenho perguntado,
quase como um consolo, se o passado
de que este Adão, hoje mísero, era dono
não foi mais que uma mágica impostura
desse Deus que sonhei. Já é impreciso
na memória o brilhante Paraíso,
porém eu sei que existe e que perdura,
não para mim, embora. A dura terra
é meu castigo e a incestuosa guerra
de Cains e de Abéis e sua cria.

E, não obstante, é muito haver amado,
haver sido feliz e haver tocado
o vivente Jardim, embora um dia.


Jorge Luis Borges in Nova Antologia Pessoal, 1968.

This page is powered by Blogger. Isn't yours?