<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d6432744\x26blogName\x3dANTES+DE+TEMPO\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dSILVER\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://antesdetempo.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://antesdetempo.blogspot.com/\x26vt\x3d685797521404101269', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

sábado, 3 de abril de 2004

 
Novamente os espaços e as marcas
Gostava que houvesse lugares que fossem estáveis, imóveis, intangíveis, intocados e quase intocáveis, imutáveis, enraízados; lugares que pudessem ser pontos de referência, de partida, de origem:

O meu local de nascimento, o berço da família, a casa onde poderia ter nascido, a árvore que poderia ter visto crescer, ( que o meu pai pudesse ter plantado no dia em que nasci), o sotão da minha juventude pleno de memórias intactas...

Tais lugares não existem, e é porque não existem que o espaço se torna numa questão, deixa de ser em si evidente, cessa de ser incorporado, cessa de ser apropriado. O espaço é uma dúvida: tenho constantemente de o marcar, de o designar. Nunca é meu, nunca me é dado, tenho de o conquistar.

Os meus espaços são frágeis: O tempo vai consumí-los, destruí-los. Nada jamais se assemelhará ao que era, as minhas lembranças irão traír-me, o esquecimento irá infiltrar a minha memória, olharei para algumas velhas e amarelecidas fotografias de cantos cortados e não as irei reconhecer. As palavras “ lista telefónica disponível no interior” ou “aperitivos servidos a qualquer hora” não estarão já dispostas num semicírculo de letras em branco porcelana sobre a janela do pequeno café na rua Coquillière.

O espaço derrete como areia que se escoa entre os dedos. O tempo leva tudo e deixa-me apenas fragmentos sem forma:
Escrever: tentar meticulosamente reter algo, causar que algo sobreviva; arrancar alguns pedaços precisos do vácuo à medida que ele cresce , deixar algures um sulco, um traço, uma marca ou alguns poucos sinais.




Georges Perec

Um abraço ao meu querido amigo Luís.



<< Home

This page is powered by Blogger. Isn't yours?