<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d6432744\x26blogName\x3dANTES+DE+TEMPO\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dSILVER\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://antesdetempo.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://antesdetempo.blogspot.com/\x26vt\x3d685797521404101269', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

domingo, 27 de junho de 2004

 

Diz JPP: Quem cala consente.

O silêncio, conveniente ou intimidatório é o apanágio de Portugal. Temos a "qualidade" de só procurar confronto quando nos enquadramos na linguagem final do interlocutor. Ou seja, nunca é desafiada a linguagem final, nunca são postos em causa os limites ou os estratagemas da linguagem ou do discurso. Tudo se passa dentro de uma esfera em que seja permitida, em última instância, a conciliação. Só assim nos sentimos bem. Só assim nos sentimos "dentro". Provocar... sim. Confrontar... dentro dos limites. Mas, na realidade, tudo se destina a obter protagonismo. Não se trata nunca de confronto "sentido". De desafio de linguagem ou conceito. De defesa ou ataque de ideias convictas. CONVICTAS! São coisas, a vida portuguesa é apenas um perpétuo fait divers. Será que isto acarreta alguma qualidade? Talvez..., aquela que releva da aprendizagem que faço do meu gato quando me demonstra, todos os dias, que o tempo não existe. Lembro sempre nestas alturas o meu querido amigo Agostinho da Silva quando me dizia que o povo português se situa numa encruzilhada: "povo de ateus, de moral católica. Povo que esqueceu Cristo e nunca conheceu Maomé".

Estamos, e sempre estivemos, virados para a chamada escala acromática: a escala dos cinzas coloridos. Porque ninguém levantou a voz quando este país, desde o Guterres, foi tomado culturalmente de assalto por grupos de influência? Quando, bem vistas as coisas, sairía mais barato e mais proveitoso a rapaziada oriunda de Corleonne vir "estagiar" no Largo do Rato do que em Manhattan? Porque, na realidade, se quem cala, consente... quem fala também consente, porque se trata sempre de falar dentro dos limites do equivocantemente nacional "bom senso". Se algum conceito nacional tem de ser posto em causa é este conceito de "bom senso": por enquanto significa apenas a dita escala acromática. São CINZAS COLORIDOS.

Caro JPP: Não está sózinho.... espero.
 



<< Home

This page is powered by Blogger. Isn't yours?