<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d6432744\x26blogName\x3dANTES+DE+TEMPO\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dSILVER\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://antesdetempo.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://antesdetempo.blogspot.com/\x26vt\x3d685797521404101269', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

sábado, 14 de maio de 2005

 
Um livro



Editado pela Imprensa Nacional-Casa da Moeda na Série Universitária, Logos e Racionalidade constitui a dissertação de Francisco Sardo (permaturamente falecido) para efeitos de doutoramento em Filosofia na Faculdade de Letras do Porto. Como é enunciado na introdução geral, o objectivo central é o de examinar até que ponto as matrizes teóricas e genéticas da constituição da Lógica Aristotélica poderão ser entendidas de forma mais clara tendo em consideração a pluridimensionalidade da estrutura dessa lógica e a unidade do estatuto teórico do Organon, enquanto instância de articulação entre o logos e a legalidade racional imanente ao cosmos. Assim, Francisco Sardo examina a problemática do Logos, do Mito e do processo de "racionalização" no pensamento grego anterior ao século IV a. C. Este projecto de investigação foi desenvolvido no âmbito da frequência de um curso de pós-graduação na École des Hautes Études en Sciences Sociales de Paris.
A Imprensa Nacional-Casa da Moeda tem levado a cabo excelentes edições, infelizmente completamente desprezadas (por culpa própria) ao nível da distribuição, divulgação e comercialização, continuando esta instituição, para a grande maioria dos portugueses, a ser apenas aquele "balcão" onde se compram impressos.



<< Home

This page is powered by Blogger. Isn't yours?