<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d6432744\x26blogName\x3dANTES+DE+TEMPO\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dSILVER\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://antesdetempo.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://antesdetempo.blogspot.com/\x26vt\x3d685797521404101269', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

segunda-feira, 18 de julho de 2005

 
____________________________________________________________________

Um livro




Fenomenologia da Percepção é, talvez, a obra fundamental de Merleau-Ponty. Mais de meio século depois dos primeiros trabalhos publicados de Husserl, a questão da fenomenologia está longe de estar resolvida. Oscila entre o estudo das essências e um projecto de filosofia que não pensa o homem e o mundo senão a partir da sua facticidade. Se, por um lado, há a recusa da atitude natural, há também a aceitação do pressuposto de um mundo que está sempre ali e é anterior a toda a reflexão na esperança de que essa leitura ingénua possa proporcionar um encontro que permita a nomeação de um estatuto filosófico. Obviamente que se trata de uma faixa estreita em que a ambição filosófica de uma "ciência exacta" é, simultaneamente, o relato do espaço, do tempo e do mundo vividos. Essa negação da componente psicológica e das explicações causais foi já, em Husserl, uma contradição quando é mencionado o termo "fenomenologia genética". Mais, portanto, do que uma doutrina, a fenomenologia pode ser entendida como um movimento em que podemos distinguir Hegel e Kierkegaard mas que passa, seguramente, por Marx, Nietzsche e Freud.
Para quem não tem preconceitos com formas ligeiramente diferentes da língua portuguesa, esta edição da Martins Fontes Editores, de São Paulo, é excelente. Para quem os tem, ou quer ler a versão original, poderá procurar Phénoménologie de la Perception, editado pela Gallimard.



<< Home

This page is powered by Blogger. Isn't yours?