<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d6432744\x26blogName\x3dANTES+DE+TEMPO\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dSILVER\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://antesdetempo.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://antesdetempo.blogspot.com/\x26vt\x3d685797521404101269', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

sábado, 20 de agosto de 2005

 
____________________________________________________________________

Ao correr das lembranças


Foto de Lilya Corneli


Lembrança minha do jardim de casa:
vida benigna das plantas,
vida afável e misteriosa
lisonjeada pelos homens.

A palmeira mais alta daquele céu
como um cortiço de pardais;
vide firmamental da uva negra,
dias do Verão dormiam à tua sombra.

Moinho colorido:
remota roda a laborar no vento,
honra da nossa casa, porque às outras
ia plo rio abaixo o toque do aguadeiro.

Cave circular da base,
tornando aquele jardim vertiginoso,
fazia medo ver por uma frincha
o teu cárcere de água tão subtil.

Jardim, frente à cancela se cumpriram
os agrestes carreiros
e aturdiu-nos o carnaval berrante
de insolentes fanfarras.

O armazém, padrinho do malévolo,
dominava essa esquina;
mas tinha canaviais pra fazer lanças
e pardais para as rezas.

O sonho das tuas árvores e o meu
continuam na noite a confundir-se
e a devastação das gralhas
deixou um antigo medo no meu sangue.

As tuas varas de profundidade
tornaram-se a nossa geografia;
um alto seria "a montanha de terra"
e uma temeridade o seu declive.

Jardim, encurtarei a oração
para continuar sempre a lembrar-me:
a vontade ou o acaso de dar sombra
foram as tuas árvores.

J. L. Borges in Caderno San Martín, 1929.



<< Home

This page is powered by Blogger. Isn't yours?