<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d6432744\x26blogName\x3dANTES+DE+TEMPO\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dSILVER\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://antesdetempo.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://antesdetempo.blogspot.com/\x26vt\x3d685797521404101269', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

segunda-feira, 5 de setembro de 2005

 
____________________________________________________________________

E all'alba morirò


Foto de Lilya Corneli


A arte erótica dos sábados
sentava-se ao café e esperava.
Na cidade humedecida para lá dos vidros
chapinhavam os pneus para os cinemas.
A bica amolecia com açúcar dentro.
Falavam mais alto, o acre dos cigarros
ficava preso ao sobretudo ao lenço
com que limpava os óculos.
Quem olharia primeiro com os olhos
fitos hesitados insistindo
no sinal assente: vamos os dois.
Para onde? O mar ao longe ouvia-se
trazido pela chuva, as luzes amarelas
cercavam as garrafas das vitrinas
com uma aura que parecia celofane.
Sem esperar o troco que
já saíam os dentes desejantes
caminhou para a porta giratória
saltou sobre poças de água
e aceitou abrigar-se ao guarda-chuva.
Trocaram nomes
podiam ser fingidos mas já eram
uma designação da carne,
uma alegria cruzando-se no frio,
o prenúncio de mãos incertas
tirando o corpo do seu escuro.

Joaquim Manuel Magalhães in Eros de passagem, 1982.



<< Home

This page is powered by Blogger. Isn't yours?