<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d6432744\x26blogName\x3dANTES+DE+TEMPO\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dSILVER\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://antesdetempo.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://antesdetempo.blogspot.com/\x26vt\x3d685797521404101269', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

domingo, 18 de setembro de 2005

 
(Im)pressões

Robert Rauschenberg


R. Rauschenberg, Link, serigrafia sobre colagem de pasta de papel, 1974


As relações entre a Pintura e a Gravura foram, desde o Renascimento e até meados do século XIX, relações pacíficas pelo facto da Gravura, e nomeadamente a chamada gravura de reprodução, ser considerada uma arte acessória e complementar da Pintura no sentido em que o seu objectivo primeiro seria o da divulgação da obra de arte original, obedecendo a uma das suas características básicas que se prende com o múltiplo. Nesse sentido, teve a Gravura papel relevante, particularmente no movimento social renascentista, proporcionando a uma classe mercantil e burguesa emergente o acesso possível à reprodução da obra de arte, classe que só mais tarde se viria a constituír como normativa relativamente à produção artística, no permanente movimento oscilatório de aceitação e rejeição, próprio de um destinatário assumido. Obviamente que o meio Gravura teve em todo este desenrolar histórico momentos de conquista de autonomia expressiva, nomeadamente com Dürer, ainda no Renascimento, bem como, mais tarde, com Seghers ou Rembrant ou Goya. Mas estes casos são excepções ao estatuto e papel que o meio desempenhou na produção artística ocidental até ao século XIX. Começamos, com efeito, a verificar uma acentuada conquista de autonomia expressiva da Gravura a partir da segunda metade do século XIX, autonomia que se tornou plena durante o século XX.
Neste, e nos próximos post, far-se-à um pouco a reflexão sobre a importancia da Gravura na obra de alguns artistas do século XX. Começamos com Robert Rauschenberg.


R. Rauschenberg, Booster, litografia e serigrafia, 1967.


R. Rauschenberg trabalhou vários anos com Ken Tyler na execução de gravuras de grande formato. Explorou a conjugação de técnicas diversas como a litografia e a serigrafia, bem como a manufactura de suportes, nomeadamente a colagem de pastas de papel de cores diversas. Ken Tyler descreve, em 1999, alguns desses processos:

The results were fantastic. We were having some very good results with increasing the scale, because as you increase scale you also increase the other problems that are accompanying printmaking... the processes have to change, the timing and everything else has to change. And of course what has to happen is that you need more than one person. It was the beginnings of what I reflect back now was the team relationship in the workshop... For Sky Garden I laminated three stones together on some honeycomb backing and then built a press that big to print it. Each and every impression required about two pounds of ink. To wipe that stone needed four people just to keep it moist so they could roll the roller across it and traverse back and forth. That's five people, five people around a press all day, for many many days until it was done.
Todo o processo da Gravura se vem a tornar fundamental na obra pictórica de Rauschenberg, assumindo-se como o início da intervenção pictórica e, quase sempre, como a referencia estrutural da pintura, nomeadamente com as impressões sobre tela.



<< Home

This page is powered by Blogger. Isn't yours?