<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d6432744\x26blogName\x3dANTES+DE+TEMPO\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dSILVER\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://antesdetempo.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://antesdetempo.blogspot.com/\x26vt\x3d685797521404101269', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

sexta-feira, 28 de julho de 2006

 
Estamos por aqui, distraídos...

Estamos por aqui, distraídos, sem quaisquer trabalhos de vida. O bloganço assim interrompido é um sossego precioso. Não há saudades. Do lado de cá do mar a noite circula, choradinha de arrufos. Não se vê ministro nem candidatos carnais ao ofício (tá descansado, ó A. Costa!). Ao longo do dia, cada vez mais rectos e espirituosos, "havemos de supliciar livros / e nas piscinas roubar velhotas". Temos braços vigorosos e a mão firme. No resto ainda temos talento & arte para a luminosa que nos tem cativa. Não há queixas à gerência, dizem-nos. Estamos de sentinela. Copacabana é um túmulo.


Pelo que se descobre nestes idos de Julho, aí na paróquia Socrática & cousa para durar nos dias estrelados do ISCTE (a velha corporação que lava melhor) ou até nos puxa-saco dos jornais, a efusão dos amigos da Ministra da Educação nessa bem-aventurança dos exames em eduquês, tem sido de choro desvalido. Mesmo anteriormente avisados, os amigos da Ministra juram que da incompetência sai sempre a linha justa, aprumada, responsável, séria. Eis a doença infantil do eduquês. E mesmo que a bagunça seja total nas Escolas, os devotos admiradores da Ministra acreditam. Coisa sublime!

Entretanto, os mesmos & os outros activistas militantes persistem numa retórica sobre o ódio e no discurso do fascínio da guerra. Em nosso nome, a palavra vazia, a loucura do presente e a barbárie, presentes no Líbano e em Israel, e que esses escribas indígenas reinventam entre a angústia do espectáculo mediático e a soberba ideológica, asseguram-nos que "o mais belo espectáculo de horror somos nós". Não têm emenda. O nosso inferno é esta insanidade da estética de guerra, é este cansaço de tanta comunicação, é esta vida ser, sempre, um eterno vídeo-game. Mas que queiram, em nosso nome, incendiar corações, instalar pesadelos, exigir caminhadas vilmente desfraldadas de um lado contra o outro ou vice-versa, não o podemos consentir. Aprendemos há muito que as noites já não são de luar e o "futuro já não é aquilo que era". E sim, ainda há olhares envergonhados em cada manhã. Os nossos.

in O almocreve das petas, hoje.



<< Home

This page is powered by Blogger. Isn't yours?