<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d6432744\x26blogName\x3dANTES+DE+TEMPO\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dSILVER\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://antesdetempo.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://antesdetempo.blogspot.com/\x26vt\x3d685797521404101269', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

segunda-feira, 4 de dezembro de 2006

 
Ao canto do ar


Foto de Katarzina Widmanska


Braços carnudos e peles confundem-se na espessura da atmosfera. Quem canta lá fora?
As luzes seguem o vapor emanado pelos corpos ligeiros, pelos espíritos graves. A terra fria está diante da porta.
E todos os mendigos batiam ao mesmo tempo ao postigo fechado, ao portão imponente. O regato, gemendo, precipita-se na rua.
Um espectáculo igual os espera: a noite vai surpreendê-los; talvez perante a morte o fulgor da razão os ilumine.
Finalmente, a música toca, apesar de tudo, um motivo qualquer. A alegria ainda existe neste mundo onde tanto a desejam, onde tanto esperam por ela. Veremos.
A passo as mulheres desfilaram em direcção aos carros fechados. Nessa noite os boulevards estavam desertos, o céu lívido: chovera tanto!
Os homens, ao passarem, tinham desbaratado tudo. Com altos gritos, aquele que não tivesse podido fugir era morto ou preso. Restava só a esperança de voltar.
E também esta esperança se perdeu quando se apagaram as luzes.

(1918)

Pierre Reverdy




<< Home

This page is powered by Blogger. Isn't yours?