<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d6432744\x26blogName\x3dANTES+DE+TEMPO\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dSILVER\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://antesdetempo.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://antesdetempo.blogspot.com/\x26vt\x3d685797521404101269', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

domingo, 17 de dezembro de 2006

 
Homenagem e privação


Foto de Katarzina Widmanska



Mulher ligada à boca do poeta, torrente de lodo sereno, que lhe ensinaste quando não eras mais do que uma semente prisioneira de lobo ansioso, a ternura das altas muralhas brunidas pelo teu nome (hectares de Paris, vísceras de beleza, sob os vossos vestidos de fuga a minha chama cresce)? Mulher adormecida no pólen das flores, sobre aquele orgulho seu depõe o teu orvalho de médium ilimitado; para que até à hora do campo de ossadas eu continue a ser esse homem que, para melhor te adornar, te restituía indefinidamente o toque de alvorada do seu nascimento, o punho da sua dor, o horizonte da sua vitória.
(Noite. Uníramo-nos apertadamente sob o grande carvalho em pranto. Cantou um grilo. Como saberia o solitário que a terra não estava a morrer, que as palavras em breve afluiriam a nós, filhos sem luz?)


René Char



<< Home

This page is powered by Blogger. Isn't yours?