<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d6432744\x26blogName\x3dANTES+DE+TEMPO\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dSILVER\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://antesdetempo.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://antesdetempo.blogspot.com/\x26vt\x3d685797521404101269', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

sexta-feira, 12 de janeiro de 2007

 
Ainda a propósito da Epopeia de Gilgamesh



Curiosidades: relações com a Bíblia.

Gilgamesh é, sobretudo, o homem que procura a vida e quer escapar à morte. A morte do seu amigo Enkidu fá-lo tomar consciência da sua propria finitude e Gilgamesh parte, assim, à procura daquele que "tinha encontrado a vida", que é o significado babilónico do termo "Uta-napishtim". No seu percurso de sucessivas provas, Gilgamesh, pode ser lido como o primeiro herói trágico da humanidade. Ele quer tornar-se imortal como Ut-napishtim mas uma serpente rouba-lhe a flor da eterna juventude que Gilgamesh tirara do fundo do mar: a flor ante-diluviana. E Gilgamesh reconhece a sua desventura: "a morte é a desgraça da humanidade; depois dela não há nada!" Os pontos de contacto são aqui evidentes entre o Genesis e a epopeia de Gilgamesh: é uma serpente que priva os homens da imortalidade.
The Chaldean Account of Genesis publicado em 1872 a partir da descoberta que George Smith faz da versão babilónica do Dilúvio, leva-nos a crer que a versão bíblica do Dilúvio depende literáriamente da versão babilónica.
Os habitantes da Palestina tinham conhecimento da história de Gilgamesh, cerca de 1400 anos antes de Cristo. A diferença entre as duas versões do Dilúvio, a bíblica e a babilónica, resume-se fundamentalmente ao carácter politeísta, mais rude e grosseiro mas também mais realista da versão babilónica.



<< Home

This page is powered by Blogger. Isn't yours?