<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d6432744\x26blogName\x3dANTES+DE+TEMPO\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dSILVER\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://antesdetempo.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://antesdetempo.blogspot.com/\x26vt\x3d685797521404101269', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

quarta-feira, 17 de janeiro de 2007

 
A ler



O ser que, para a maioria dos homens, constitui a fonte dos mais vivos prazeres e, até — digamo-lo para vergonha das voluptuosidades filosóficas —, dos mais duradouros; o ser para quem, ou em benefício de quem, tendem todos os esforços deles; esse ser terrível, e incomunicável como Deus (com a diferença de que o infinito não comunica, porque cegaria e esmagaria o finito, ao passo que o ser de que falamos talvez seja incompreensível apenas por nada ter a comunicar); esse ser em que Joseph de Maistre via um belo animal cujas graças alegravam e tornavam mais fácil o jogo da política; para quem e por quem se fazem e desfazem as fortunas; para quem, mas sobretudo por quem os artistas e os poetas compõem as suas mais delicadas jóias; de quem derivam os prazeres mais enervantes e as dores mais fecundantes — a mulher, numa palavra (...).

in
O pintor da vida moderna, X, A Mulher, 1863.

A Invenção da Modernidade reúne um conjunto de textos de Baudelaire que vão desde as notas críticas aos Salões de 1846, 1855 e 1859, a outros textos críticos sobre Edgar Poe, Flaubert, Gautier, bem como o ensaio Le Peintre de la vie moderne, publicado no Le Figaro a 26 e 29 de Novembro e 3 de Dezembro de 1863, terminando com os Projectos de prefácios para Les Fleurs du mal, cuja primeira edição surge em 1857.
Com tradução de Pedro Tamen, a edição é da Relógio D'Água.




<< Home

This page is powered by Blogger. Isn't yours?