<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d6432744\x26blogName\x3dANTES+DE+TEMPO\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dSILVER\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://antesdetempo.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://antesdetempo.blogspot.com/\x26vt\x3d685797521404101269', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

quinta-feira, 8 de fevereiro de 2007

 
Beckett




Confirmada a existência como adiantam os estudos de Puncher e Wattmann de um Deus pessoal quaquaquaqua com barba branca quaquaquaqua fora do tempo sem extensão que das alturas da sua divina apatia divina atambia divina afasia nos ama a todos com algumas excepções por razões desconhecidas mas que o tempo dirá e sofre como a divina Miranda com aqueles que por razões desconhecidas mas que o tempo dirá estão mergulhados em tormentos mergulhados num fogo sendo que as chamas do fogo se isto assim continuar e quem pode duvidar que vai continuar queimam o firmamento ou seja rebentam com o inferno para o céu tão azul suave e calmo tão calmo com uma calma que apesar de intermitente é melhor que nada mas mais devagar e considerando aquilo que é mais do que o simples resultado dos trabalhos inacabados de Testu e Conard premiados pela Acacacacademia de Atropopopopometria de Essy-em-Possy fica estabelecido sem qualquer dúvida exceptuando a dúvida sempre inerente a qualquer trabalho que seja humano que como resultado dos trabalhos inacabados de Testu e Conard fica estabelecido daqui em diante mas mais devagar por razões desconhecidas que como resultado dos trabalhos de Puncher e Wattmann fica estabelecido sem qualquer dúvida que tendo em conta os trabalhos de Fartov e Belcher inacabados por razões desconhecidas para Testu e Conard inacabados também eles fica estabalacido o que para muitos é inaceitável que o homem em Possy de Testu e Conard que o homem em Essy que o homem em resumo que o homem em síntese apesar dos progressos na alimentação e na defecação é ainda visto a diminuir e a definhar a diminuir e a definhar e concomitantemente simultaneamente ainda para mais por razões desconhecidas apesar dos progressos da cultura física a prática de desportos tais como ténis futebol atletismo ciclismo natação aviação flutuação equitação planação conação remação patinação ténis de todos os tipos morrer voar desportos de todas as espécies outono, verão, inverno, ténis de inverno de todos os tipos hóquei de todas as espécies penicilina e sucedâneos numa palavra eu repito concomitantemente simultaneamente por razões desconhecidas a encolher e a decrescer apesar do ténis eu repito voar planar golf acima de nove e dezoito buracos ténis de todos os tipos numa palavra por razões desconhecidas em Feckham Peckham Fulham Clapham nomeadamente concomitantemente simultaneamente ainda para mais por razões desconhecidas mas que o tempo dirá a encolher e a decrescer eu repito Fulham Clapham numa palavra andando a perda por morte per capita desde a morte de Voltaire à volta de números de uma onça e meia per capita aproximadamente isto mais ou menos tirando aqui pondo ali arredondando para números redondos correctos totais nus nas meias nos pés na Normandia numa palavra por razões desconhecidas não interessa o que interessa é que os factos existem e considerando o que é mais muito mais grave que à luz dos trabalhos perdidos de Steinweg e Petermann que nas planícies nas montanhas à beira-mar à beira-rio água que corre fogo que corre o ar é o mesmo e então a terra ou seja o ar e então a terra naquele grande frio naquela grande escuridão o ar e a terra domicílio de pedras no grande frio enfim enfim no ano do Senhor seiscentos e qualquer coisa o ar a terra o mar a terra domicílio de pedras nas grandes profundezas o grande frio no mar na terra e no ar eu repito enfim enfim adiante adiante em resumo em suma adiante adiante domicílio de pedras quem pode duvidar eu repito mas mais devagar eu repito o crâneo a encolher e a diminuir e concomitantemente simultaneamente ainda para mais por razões desconhecidas apesar do ténis adiante adiante a barba as chamas as lágrimas as pedras tão azuis tão calmas enfim enfim adiante adiante o crâneo o crâneo o crâneo o crâneo na Normandia apesar do ténis dos trabalhos abandonados inacabados mais grave ainda domicílio de pedras numa palavra eu repito enfim enfim abandonados inacabados o crâneo o crâneo na Normandia apesar do ténis o crâneo enfim as pedras Conard ténis... as pedras... tão calmas... Conard... inacabados.


Samuel Beckett
, À espera de Godot, Acto I, 1948.




<< Home

This page is powered by Blogger. Isn't yours?