<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d6432744\x26blogName\x3dANTES+DE+TEMPO\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dSILVER\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://antesdetempo.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://antesdetempo.blogspot.com/\x26vt\x3d685797521404101269', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

domingo, 15 de julho de 2007

 
O fio de Ariana

Sigmar Polke



Francisco Goya, "O tempo", 1812, óleo s/ tela, 181x125 cm.


O trabalho de Polke sobre "O tempo" de Goya começa em 1982 e tem óbvia relevância e consequência no todo da sua obra, quer a nível dos motivos e critérios de composição, quer a nível técnico e formal. A relação de Polke com a obra de Goya não é apenas empática no sentido em que Goya atrai Polke por ser o arquetipo do agitador que parte para o exílio recusando os cânones classicistas na defesa de uma corrente romântica. Para Polke, Goya é também o mestre da ironia que se torna mais densa face à decadência física, à doença e à melancolia. Mas, sobretudo, Goya representa para Polke a possibilidade de descobrir, do ponto de vista técnico e histórico, a natureza e o sentido da pintura e, particularmente, esse terreno fértil onde as imagens se geram, caótica e aleatóriamente.
É interessante observar que só aparentemente as intervenções de Polke sobre material previamente impresso são comparáveis às da pop norte-americana. Para Polke, não se trata nunca da transformação da figuração em configuração mas antes entender a natureza da percepção através da manipulação de material icónico. Esta manipulação rejeita qualquer sistema mecanicista e funciona muito mais por acumulação e pela incerteza do acaso.


Sigmar Polke, Raio X de "O tempo" de Goya, montagem de 15 raio X, 1984, 176x129 cm.



Sigmar Polke, "Goya, O tempo", intervenção sobre fotografia, 1984, 127x185 cm.



<< Home

This page is powered by Blogger. Isn't yours?