<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d6432744\x26blogName\x3dANTES+DE+TEMPO\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dSILVER\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://antesdetempo.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://antesdetempo.blogspot.com/\x26vt\x3d685797521404101269', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

quarta-feira, 15 de agosto de 2007

 
Malone


Foto de Katarzina Widmanska


Porque não é como se ele tivesse meios de obter, num só dia, provisões suficientes para se manter em vida durante três semanas ou um mês, e que é isso, um mês, por comparação com a senescência inteira, sem falar do secadouro, uma miséria. Mas não tem esses meios, e se os tivesse não saberia aproveitá-los, tão longe se sente do dia de amanhã. E sem dúvida que já nem acredite nele, à força de o ter esperado em vão. E talvez esteja nesse ponto do seu instante em que viver é errar só e vivo no fundo de um instante sem limites, onde a luz não muda e onde os destroços são todos semelhantes. Os olhos só levemente mais azuis do que uma clara de ovo fixam o espaço à sua frente, que seria então a plena calma eternamente dos abismos. Mas de longe em longe fecham-se, com essa subitaneidade branda das carnes que se apertam, muitas vezes sem cólera, fechando-se sobre si próprias. Vemos então as velhas pálpebras, vermelhas e esfarrapadas, que parecem ter dificuldades em juntar-se, porque são quatro, duas por cada lágrima. E é talvez então que ele vê o céu do velho sonho, cruzeiros e terra também, e os espasmos das vagas das quais nenhuma se mexe sem que todas as outras se agitem do mesmo modo, e o movimento tão diferente dos homens por exemplo, que não estão presos uns aos outros mas são livres de ir e vir, cada um a seu jeito. E não se abstêm de o fazer e vão e vêm, com o ruído de cegarrega dos seus estalidos de articulados de grandes dimensões, cada um pelo seu lado. E quando há um que morre os outros continuam, como se nada fosse.


Samuel Beckett in Malone está a morrer, 1951.



<< Home

This page is powered by Blogger. Isn't yours?