<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d6432744\x26blogName\x3dANTES+DE+TEMPO\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dSILVER\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://antesdetempo.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://antesdetempo.blogspot.com/\x26vt\x3d685797521404101269', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

quinta-feira, 11 de setembro de 2008

 
Considera-se


Kiefer



Considera-se que a civilização europeia assenta na razão. Mas poderia igualmente dizer-se que a Europa é uma civilização do sentimento: fez nascer o tipo humano a que eu gostaria de chamar o homem sentimental: homo sentimentalis.
A religião judaica prescreve uma lei aos seus fiéis. Esta lei pretende-se racionalmente acessível (o talmude é um perpétuo raciocínio sobre as prescrições bíblicas); não exige dos crentes nem um sentido misterioso do sobrenatural, nem uma exaltação particular, nem um fogo místico a incendiar-lhes a alma. O critério do bem e do mal é objectivo: é a lei escrita, que se trata de compreender e de observar.
O cristianismo virou de pernas para o ar este critério: Ama a Deus e faz o que quiseres!, diz Santo Agostinho. Transferido para a alma do indivíduo, o critério do bem e do mal tornou-se subjectivo. Se a alma do Fulano estiver cheia de amor, tudo correrá pelo melhor: ele é um homem bom e tudo o que ele faz é bom.
(...)

Nesta convicção de que o amor inocenta o homem assenta a originalidade do direito europeu e da sua teoria da culpabilidade, que leva em consideração os sentimentos do acusado.


Milan Kundera in A Imortalidade, 1990.



<< Home

This page is powered by Blogger. Isn't yours?