<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d6432744\x26blogName\x3dANTES+DE+TEMPO\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dSILVER\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://antesdetempo.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://antesdetempo.blogspot.com/\x26vt\x3d685797521404101269', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

quarta-feira, 10 de setembro de 2008

 
A grandes histórias


Gottlieb

As grandes histórias de amor europeias desenrolam-se num espaço extra-coital: a história da princesa de Clèves, a de Paulo e Virgínia, o romance de Frometin cujo herói, Dominique, ama durante toda a vida uma única mulher que nunca chega a beijar, e claro, a história de Werther, e a de Victoria Hamsun, e a de Pierre e Luce, essas personagens de Romain Rolland que fizeram chorar no seu tempo as leitoras de toda a Europa. Em O Idiota, Dostoiewsky deixou Nastassia Philippovna ir para a cama com o primeiro negociante que lhe apareceu, mas quando se tratou da paixão verdadeira, quer dizer quando Nastassia se viu entre o príncipe Mychkine e Rogojine, os respectivos sexos dissolveram-se nos três grandes corações como torrões de açúcar em três chávenas de chá. O amor de Ana Karenine e de Vronski terminou com o seu primeiro acto sexual, daí em diante passou a ser apenas a sua própria decrepitude e nós nem sequer sabemos porquê: fariam amor assim tão mal? ou, pelo contrário, amar-se-iam com tanto garbo que a força da volúpia fez nascer neles um sentimento de pecado? Seja qual for a resposta, chegamos sempre à mesma conclusão: depois do amor pré-coital, já não havia grande amor, nem podia já havê-lo.
(...)
A noção europeia do amor enraíza-se num terreno extra-coital. O século XX, que se gaba de ter libertado a sexualidade e que gosta de se rir dos sentimentos românticos, não soube dar à noção de amor qualquer sentido novo (tal é um dos naufrágios deste século) de maneira que um jovem europeu, quando profere mentalmente essa grande palavra, vê-se reconduzido nas asas do encantamento, quer queira quer não, até ao ponto exacto em que Werther viveu o seu amor por Lotte e em que Dominique ia caindo do cavalo.


Milan Kundera in A Imortalidade, 1990.



<< Home

This page is powered by Blogger. Isn't yours?