<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d6432744\x26blogName\x3dANTES+DE+TEMPO\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dSILVER\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://antesdetempo.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://antesdetempo.blogspot.com/\x26vt\x3d685797521404101269', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

segunda-feira, 22 de junho de 2009

 
Livros esquecidos (9)



Esta edição de Os Silos do Silêncio - Poesia (1948-2004), de 2005, da Imprensa Nacional, veio, de alguma forma, colmatar o esquecimento a que Eduíno de Jesus e a sua obra foram votados. Tendo sido publicadas três colectâneas poéticas nos anos 50 — Caminho para o Desconhecido (1952), O Rei Lua (1955) e A Cidade Destruída durante o Eclipse (1957) — Eduíno de Jesus (hoje com 81 anos) e a sua notável obra poética permanecem ignorados e esquecidos da grande maioria dos portugueses, também porque o autor se remeteu ao silêncio, fruto de uma permanente e sempre insatisfeita exigência formal. Com esta edição de Os Silos do Silêncio que reúne grande parte da obra poética (muita inédita) produzida entre 1948 e 2004 e com um muito interessante prefácio de Manuel Couto Viana, surge, para quem o queira ler e retirar do esquecimento, a importância deste poeta da geração de 50 e do melhor do lirismo português da segunda metade do século XX.



<< Home

This page is powered by Blogger. Isn't yours?