<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d6432744\x26blogName\x3dANTES+DE+TEMPO\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dSILVER\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://antesdetempo.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://antesdetempo.blogspot.com/\x26vt\x3d685797521404101269', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

terça-feira, 28 de julho de 2009

 
Livros esquecidos (16)



1984 foi o ano do último grande restauro da Capela Sistina. O meio artístico italiano era, então, sacudido pelo debate em torno da metodologia adoptada para o restauro que, progressivamente, à medida que os trabalhos avançavam, revelava um inesperado Miguel Angelo, muito mais um assumido maneirista do que um homem delimitado no território do Alto Renascimento. Vários notáveis reclamavam, então, a revisão da História da Renascença provocando uma polémica académica que o decorrer dos anos viria a esfriar. Mas, nesse mesmo ano, o meio artístico italiano foi também abalado com a publicação deste livro, hoje esquecido. Mário Diacono escrevia, então, sobre a nova pintura italiana. Começado em 1976, publicado em 1984 — numa primeira edição reduzida a 1500 exemplares (de que este é o 1306) —, Verso una nuova Iconografia é um inteligente ensaio crítico sobre a obra da mais nova geração (na época) de artistas italianos que emergiam com propostas coerentes e articuladas. Partindo da análise das obras de Boetti, Paolini, Pistoletto, Ceroli, Ontani e outros, Mario Diacono aborda as propostas dos novos da época: Chia, Chucci, De Filippi, De Maria, Clemente e Paladino.



<< Home

This page is powered by Blogger. Isn't yours?