<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d6432744\x26blogName\x3dANTES+DE+TEMPO\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dSILVER\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://antesdetempo.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://antesdetempo.blogspot.com/\x26vt\x3d685797521404101269', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

quinta-feira, 26 de novembro de 2009

 
Livros esquecidos (25)




Marc Augé não é propriamente um autor esquecido, muito menos desconhecido, pelo menos nos círculos académicos. Ilustre professor de antropologia na Sorbonne, autor de Non-lieux (teoria da super-modernidade), Augé é de leitura obrigatória, mais não seja para os estudantes de antropologia. Les Formes de l'oubli é, no entanto, um interessantíssimo livro — editado em 1998 — que ficou, por assim dizer, um tanto ou quanto perdido na vasta obra académica do autor. Aqui, Augé fala-nos da necessidade de esquecer. O esquecimento é tratado como elemento essencial das sociedades e dos indivíduos. Augé define três formas ou figuras do esquecimento: o regresso, em que a ambição primeira é a de reencontrar o passado perdido, esquecendo o presente; a suspensão, em que se pretende uma redescoberta do presente isolando-o provisoriamente do passado e do futuro; o recomeço cuja ambição é a de reencontrar o futuro esquecendo o passado e criando condições, através do esquecimento, para todos os futuros possíveis, sem previligiar nenhum. Num mundo em que os tempos — passado, presente e futuro — se encontram relativizados e em que memória e esquecimento são protagonistas que trocam de papéis a cada instante, Les Formes de l'oubli é, sem dúvida, uma obra a não esquecer.



<< Home

This page is powered by Blogger. Isn't yours?