<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d6432744\x26blogName\x3dANTES+DE+TEMPO\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dSILVER\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://antesdetempo.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://antesdetempo.blogspot.com/\x26vt\x3d685797521404101269', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

sábado, 8 de maio de 2010

 
Acordo ortográfico... também será isto?

Surge, através da editora brasileira Vozes, a edição em língua portuguesa (?) de Palavra e Objecto de Quine, tradução de Sofia Stein e Desidério Murcho. Faz notar este último algumas aberrações desta edição, na forma abrasileirada com que foi tratada a tradução.
Começa por notar que a secção 47, traduzida por ele, tem como título original "A framework for theory", cuja tradução foi "Um enquadramento para a teoria" mas que na versão brasileira surge como "Uma armação para a teoria" (pergunta Desidério Murcho se a "armação" é de aço ou de madeira).

Também no início da bibliografia, "Only those works are listed that are alluded to elsewhere in the book" e que foi traduzido por "Listam-se apenas as obras a que se alude algures no livro", surge nesta edição como "Somente aos trabalhos listados aludiu-se em algum lugar do livro".
E, por fim, dá-nos o exemplo do que surge na página 40 da edição brasileira:

No original, Quine escreve "The pattern of conditioning is complex and inconstant from person to person, but there are points of general congruence: combinations of questions and non-verbal stimulations which are pretty sure to elicit an affirmative answer from anyone fit to be numbered within the relevant speech community. Johnson struck such a combination, putting himself in the way of a stimulus that would trigger an affirmative response from any of us to the question whether a stone is there."

A tradução foi: "O padrão de condicionamento é complexo e inconstante, de pessoa para pessoa, mas há bons pontos de congruência geral: combinações de perguntas e de estimulações não-verbais que quase certamente provocam uma resposta afirmativa a qualquer pessoa que se possa adequadamente considerar que pertence à comunidade discursiva relevante. Johnson tropeçou numa dessas combinações, pondo-se frente a um estímulo que despoletaria uma resposta afirmativa de qualquer um de nós à questão de saber se está ali uma pedra."

Surge assim na edição brasileira: "O padrão de condicionamento é complexo e inconstante de pessoa a pessoa, porém existem pontos de congruência geral: combinações de questões e estimulações não verbais que são muito prováveis de provocar uma resposta afirmativa de qualquer um adequado a ser considerado como parte da comunidade de fala relevante. Johnson enfrentou tal combinação, examinando um estímulo que precipitaria uma resposta afirmativa de qualquer um de nós à questão se há uma pedra ali."


Não tendo só a ver com ortografia, farão estas "delícias da linguagens", como lhe chama Desidério Murcho, parte da unificação da língua?



<< Home

This page is powered by Blogger. Isn't yours?