<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d6432744\x26blogName\x3dANTES+DE+TEMPO\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dSILVER\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://antesdetempo.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://antesdetempo.blogspot.com/\x26vt\x3d685797521404101269', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

quarta-feira, 27 de abril de 2011

 
Flaubert



A ligação de toda a vida de Flaubert ao Egipto parece convidar-nos a aprofundar e a respeitar a atracção que podemos sentir por certos países. Da sua adolescência em diante, Flaubert insistiu em que não era francês. O ódio em que tinha o seu país e as suas gentes era tão entranhado que o fazia troçar da sua própria identidade cívica. E, assim, chegaria a propor um novo processo de atribuição da nacionalidade: o critério não seria o do país onde se nascesse nem o do país a que se pertenceria por herança familiar, mas o dos lugares cuja atracção se experimentasse mais intensamente. (Por isso era perfeitamente coerente e lógica a sua intenção de tornar extensiva ao género e à espécie esta concepção mais flexível da identidade, o que o fez declarar em certa ocasião que, ao contrário do que poderia parecer, ele próprio era de facto uma mulher, um camelo e um urso. "Quero comprar um belo urso, o quadro emoldurado de um urso que hei-de pendurar no meu quarto, tendo escrito por baixo Retrato de Gustave Flaubert, para assim dar uma melhor ideia das minhas disposições morais e dos meus hábitos sociais.")


Alain de Botton in A arte de viajar, 2004.



<< Home

This page is powered by Blogger. Isn't yours?