<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d6432744\x26blogName\x3dANTES+DE+TEMPO\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dSILVER\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://antesdetempo.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://antesdetempo.blogspot.com/\x26vt\x3d685797521404101269', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

sábado, 16 de julho de 2011

 
A posse da beleza





Entre todos os lugares onde vamos, mas que não sabemos ver ou que nos deixam indiferentes, sobressaem por vezes alguns, cujo impacto irreprimível nos conquista, impondo-os à nossa atenção. Possuem essa qualidade a que costumamos dar o nome aproximativo de beleza. Esta pode nada ter de agradavelmente bonito, nem exibir o mais pequeno traço que os guias turísticos consideram belos panoramas. Talvez o nosso recurso àquela palavra seja apenas outra maneira de dizer que gostámos de certo lugar.
Houve muita beleza nas minhas viagens. Em Madrid, a poucos edifícios de distância do meu hotel, havia um terreno vago cercado de prédios de apartamentos e uma grande estação de serviço cor de laranja, onde se lavavam automóveis. Uma noite, cortando a escuridão um comboio muito comprido, elegante e quase vazio, passou uns quantos metros acima do telhado da estação de serviço, abrindo caminho a meia altura dos prédios de apartamentos. Com o seu viaduto perdido na noite, dir-se-ia que a composição flutuava acima do solo, proeza tecnológica que se afigurava menos inverosímil dadas as linhas futuristas do comboio e a pálida luz verde e fantasmagórica que se entornava pelas suas janelas. Portas adentro dos seus apartamentos, as pessoas estavam a ver televisão ou a tratar de alguma coisa na cozinha; entretanto, os poucos passageiros do comboio admiravam a cidade ou liam o jornal, no começo de uma viagem a Sevilha ou a Córdova que só alcançaria o seu destino muito depois das lavagens da louça terem chegado ao fim ou de os televisores se calarem. Os passageiros do comboio e os moradores dos apartamentos daqueles prédios pouca atenção prestavam uns aos outros; as suas vidas corriam sobre linhas que nunca se encontrariam, excepto por um breve momento na retina de um observador que fora dar uma volta, tentando escapar à tristeza do seu hotel.


Alain de Botton in A arte de viajar, 2004.



<< Home

This page is powered by Blogger. Isn't yours?